Untitled Document

VANDER LÚCIO

 

[ 23 08 2013 ]

Assassinatos em série marcaram a semana em Anápolis

 

Acerto de contas, briga de casal, tentativa de assalto e outros delitos resultaram em várias mortes

 

Tamanho da letra:

 

Nos últimos dias, a polícia de Anápolis se viu às voltas com um elevado índice de crimes contra a pessoa. Até a quinta-feira eram contabilizados 115 crimes de morte na Cidade. A série de homicídios começou com assassinato de Gelandison Soares Silva, na madrugada de domingo (18) para segunda-feira (19), na Rua Dinamarca, Bairro Boa Vista. Ele sofreu vários disparos de arma de fogo na cabeça. Horas depois, algumas quadras adiante, na Vila Santa Isabel, Fabiane Firmino, que tinha passagens por roubo e ameaça, foi assassinada com tiros na virilha e tórax. Testemunhas afirmaram que ambos (Gelandison e Fabiane) haviam saído juntos de uma festa naquele setor.
Thiago de Tal, vulgo “Latada”, morador de rua, foi morto com um tiro nas costas e outro na nuca, na Rua Dr. Pina Júnior, Bairro Jundiaí. O crime aconteceu na madrugada de segunda-feira, 19. De acordo com a PM, ele era usuário de drogas. Há a suspeita de que “Latada” tenha sido morto devido a dívidas que contraiu junto a traficantes da região. Ainda na manhã de segunda-feira, no Jardim Primavera 1ª etapa, Lucas Martins, de 17 anos, foi assassinado a pauladas enquanto dormia na casa de sua avó. Vizinhos e familiares disseram à PM que o menor era trabalhador, não tinha ficha criminal ou envolvimento com drogas.
Já na madrugada de terça-feira (20), Ícaro Braga do Nascimento morreu depois de uma troca de tiros com a PM, na Avenida Senador José Lourenço Dias, no centro da Cidade. Ele tinha acabado de furtar em uma loja no Bairro Jundiaí e fugia com seu comparsa, Cléber Santos Teles. Ambos estavam, em uma motocicleta quando foram encontrados pela polícia. Ícaro tinha 19 anos, e Cleber, que levou um tiro no braço e foi levado para o Hospital de Urgências, tem 31 anos. Segundo a PM, Ícaro Braga tinha 12 passagens pela polícia, dentre elas, dois assassinatos confirmados, a suspeita de mais três e várias tentativas de homicídio. Ele reagiu a tiros quando era perseguido pela viatura policial. Seu comparsa, Cleber Santos Teles já foi preso por furto e era acusado de receptação de mercadoria roubada.

Mais mortes
Na terça-feira, 21, a Polícia Militar atendeu a uma ocorrência na Avenida Comercial, Bairro de Lourdes. Em um escritório de empréstimos, foi encontrado o corpo de Gleisson Ferreira, 35 anos, com várias passagens pelas delegacias da Cidade. O autor do crime teria sido o responsável pelo escritório que, na ocasião, feriu a tiros, também, um menor de 15 anos, que acompanhava a Gleisson. Há duas versões para o caso. Uma é de que a dupla teria ido ao local para executar o suposto autor do homicídio, em crime de pistolagem. Outra é de que o dono do escritório teria reagido a uma tentativa de assalto, o que resultou na morte de Gleisson e no ferimento do menor que o acompanhava.
Ainda na mesma noite foi registrado um duplo homicídio no Bairro Paraíso. Max Lânio Lousa Barbosa, 38 anos e José Antônio Alves, 39 anos, foram mortos por ocupantes de um carro escuro que os chamaram pelos nomes. Ressalte-se que José Antônio era egresso da Casa de Prisão Provisória de Aparecida de Goiânia e estava em liberdade há poucos dias
E, na noite de quarta-feira, também, foi registrada a morte de Ana Cláudia Pereira, 30 anos, residente no Setor Industrial Munir Calixto. O acusado é seu companheiro, Francesco Ferraz, de 22 anos. Ele disse que havia entrado em luta corporal com a mulher que o ameaçava de morte com um revólver, tentando desarmá-la, e que a arma disparou acidentalmente. Foi o próprio Francesco quem chamou os bombeiros e a polícia para socorrer a companheira.

 

Autor: Da Redação


0 Comentário(s)

Dê sua opinião a respeito desta notícia
Nome:
E-mail:
Comentário:
  CAPTCHA
Digite as letras da imagem acima:
 

[ voltar ]

 

Untitled Document

BUSCA RÁPIDA

Digite a palavra-chave da notícia
que deseja encontrar

NEWSLETTER

Cadastre e receba as novidades do Jornal Contexto